Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de junho de 2010

PENEIRA DE BALDE


Ser tão 
Rosa de
Ver e das
secas.
Une verso 
de cantada,
Guimarães prosa
faz balde de peneira.
Sacie pensamento
Que de distante,
só mel.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Sagrada Sagarana

Jagunços, terra seca
A boiada é Boiadeira
O cerrado é a bandeira
Dessa gente brasileira
 
No meio de tanto sofrimento
Águas sujas, filhos sedentos
Barreiros viram artesanato
E  a arte do capim do mato
Já não traz padecimento

Montanhas ao longe?
Mar salpicante?
Que nada acorde
Nos livre da morte
Oh! Trabalho edificante

Os sons são assim mesmo
É a marcação, do sertanejo
Zabumba choro barroco
Erudito, farinha e queijo
Toucinho de pele de porco
Manteiga, doce e confeitos

Tudo é arte nesta terra
Tem Culinária da Benta
Bolo de milho em farelo
Agente ta que não se agüenta
No pica-pau-amarelo

No leito do são Francisco
O sertão sou eu, e todos
Guimarães e suas belezas  
Água pura sem lodo
Dos grandes sertões veredas

Quanto maior o sofrimento
mais a arte é visceral
surge do pobre lamento
flores no lamaçal
estamos no sertão reinante
do negro, sertanejo e retirante

Nas noites de são joão
Num romance vidas secas
O mar vai virar chão
Baleia em pleno sertão?
Cadela sem leite nas tetas

 Já disse meu primo argemiro
Aquele das bandas do rio
Que na maleita e na bravura
E na conversão de Tatarana
Consagra  a literatura 
na sagrada Sagarana

calango

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Eu gosto é de deitar na cama
E rolar com o Fernando
Pessoa que estorva,
Salva pensamento de esmola,
Revolta ainda mais a alma.

Peno do malefício de necessitar
de letras para me acalmar.